A emoção da vela volta ao mar de Ilhabela na Copa Suzuki Jimny

Tangaroa (ORC-A) / Foto: Aline Bassi / BalaioTangaroa (ORC-A) / Foto: Aline Bassi / Balaio

São Paulo - A Copa Suzuki Jimny traz de volta neste final de semana, a emoção da vela oceânica ao Yacht Club de Ilhabela (YCI). Cerca de 40 embarcações são esperadas na mesma raia que no mês passado agitou o litoral norte ao receber a maior competição de oceano da América Latina. A largada da primeira regata está marcada para este sábado (31/8), ao meio-dia, reunindo cinco classes: ORC, IRC, RGS, C30 e HPE-25.
 
"Teremos com certeza um excelente final de semana para se velejar. A frente fria já está indo embora e o mar deve ficar mais calmo. Este é o primeiro grande evento depois da Rolex Ilhabela Sailing Week. É hora de içar novamente as velas e competir. Isso é o que importa para o velejador, que já deve estar com saudades de uma bela regata", afirma o presidente da Comissão Técnica, Carlos Eduardo Sodré, o Cuca. 
 
A previsão é de ventos médios no sábado, entre 8 e 10 nós (em torno de 15 km/h) no início da tarde, com tendência de queda para o domingo, segundo dia do evento, sempre com a direção variando de leste a nordeste. A intenção de Cuca é de realizar duas largadas por dia, mas essa condição vai depender da intensidade do vento e das classes, que podem ter suas regatas em raias diferentes. A terceira etapa da competição, penúltima da temporada, será concluída no final de semana dos dias 7 e 8 de setembro. 
 
Velejadores de oceano com níveis e objetivos diferentes, têm espaço garantido na Copa Suzuki Jimny. O coordenador do Comitê Organizador de Regatas do YCI, Alberto Gaitys, lembra que o clube está pronto para acolher diferentes barcos e tripulações. "As classes C30 e HPE se tornam mais populares porque são ‘one design’, ou seja, em tese deveriam ter veleiros iguais. Os parâmetros objetivos também ajudam: quem chega na frente leva. A ORC e a IRC têm uma regra mais exigente devido à medição, enquanto a RGS é indispensável para a flotilha, permitindo que se veleje em alto nível e que também seja possível levar a família e os amigos a bordo". 
 
A importância de uma boa classificação na terceira etapa, leva à Ilhabela tripulações de cidades onde a vela também é um esporte tradicional. Os barcos Infinity e Lexus/Chroma vêm de Santos. Jambock, Maria Preta e Caballo Loco partem de Ubatuba, além da tripulação do Tangaroa, vinda de Porto Alegre especialmente para competir na Copa Suzuki Jimny. 
 
Preparação para a Buenos Aires-Rio - A tripulação do Kanibal, terceiro colocado na classe RGS B, está dividida em duas frentes de trabalho: evoluir na Copa Suzuki Jimny e ao mesmo tempo reforçar o entrosamento para correr a desafiadora Buenos Aires-Rio em fevereiro de 2014. O velejador Martin Bonato, comandante do Kanibal, pretende mesclar as tripulações do barco que está correndo a Copa, com a do Jylic II, um Fast 395 que traz no currículo os títulos paulista e brasileiro da classe, além de ter vencido a Rolex Ilhabela Sailing Week em 2009, na RGS A. 
 
"Vamos sim fazer a Buenos Aires Rio. Queremos iniciar a descida em dezembro, mas a preparação já começou há seis meses. Não imaginei que daria tanto trabalho. Os equipamentos de segurança, cartas náuticas, velas novas, temos de descobrir os meios adequados porque não somos profissionais. O Lars Grael tem nos dado um super apoio e estamos em contato permanente com o Yacht Club Argentino (YCA). Espero representar muito bem o YCI", relata o comandante Bonato. 
 
O Jylic II não está inscrito na Copa Suzuki Jimny em função da adequação à regata internacional. Duas equipes de oito tripulantes vão participar da campanha. Uma para ‘descer’ o Atlântico Sul, de Ilhabela à Buenos Aires, e outra para ‘subir’, em busca da linha de chegada, no Rio de Janeiro. "O planejamento é fundamental para se concluir um projeto como esse, mas agora queremos pensar na Copa Suzuki Jimny. Estamos pegando a mão do Kanibal e ficamos ansiosos por um bom resultado", completa Bonato, com entusiasmo. 
 
Novidade - O feriado da Independência (07/9), penúltimo dia da terceira etapa, será especial para os velejadores dentro e fora da água, durante o dia e à noite também. A Pousada Armação dos Ventos vai receber os participantes do campeonato para uma festa de confraternização. Uma das atrações da noite será o sorteio de uma bicicleta Suzuki, entre os competidores que preencherem o cupom no estande da Suzuki, no YCI. 
 
Inscrições - Serão feitas nos dias 30 e 31 de agosto (dia 30/08 das 18:00 às 21:00 e no dia 31/08 das 08:00 às 11:30) na secretaria do evento no YCI, com valor de R$ 80,00/Tripulante (exceto tripulante-mirim, isento de taxa de inscrição). 
 
Resultados acumulados após duas etapas:
 
ORC-A - 11 regatas e 3 descartes
1º - Tangaroa (James Bellini) - 11 pontos perdidos ([7]+[7]+1+1+1+1+[3] +1+3+1+2)
2º - Lexus/Chroma (Luiz de Crescenzo) - 12 pp ([2]+1+[2]+2+2+[3] +1+2+1+2+1)
3º - Orson/Mapfre (Carlos E.Souza e Silva) - 19.5 pp (1+2+3+3+3+2+2+[5]+[4]+3,5+[4])
 
ORC-B - 11 regatas e 3 descartes
1º - Sextante I (Thomas Shaw) - 8 pp ([1]+[4]+1+1+1+1+[2]+1+1+1+1)
2º - Colin (Sebastian Menendez) - 16 pp ([3]+[4]+[3]+2+3+2+1+2+2+2+2)
3º - Zeppa (Diego Zaragoza) - 21 pp (2+[4]+2+[3]+2+[3]+3+3+3+3+3)
 
C30 - 14 regatas e 3 descartes
1º - TNT/Loyal (Marcelo Massa) - 11 pp ([1]+[1]+1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+[2])
2º - Barracuda (Humberto Diniz) - 23 pp (2+[4]+2+2+2+2+2+2+3+2+2+2+[6]+[4])
3º - Caballo Loco (Mauro Dottori) - 32 pp ([4]+3+[4]+[4]+4+4+3+4+2+3+3+3+2+1)
 
HPE - 15 regatas e 4 descartes
1º - Relaxa Next/Caixa (Roberto Mangabeira) - 26 pp (1+[7]+[12]+1+[9]+1+1+[14]+2+2+4+3+3+3+5)
2º - Repeteco (Fernando Haaland) - 35 pp ([8]+1+7+2+1+[12]+8+2+3+3+5+2+1+[11]+11]) 
3º - Bixiga (Pino De Segni) - 39 pp ([6]+3+5+[8]+[19]+[6]+2+4+4+1+2+1+6+5+6)
4º - Ginga (Breno Chvaicer) - 41 pp (3+5+[9]+3+3+3+[19]+[7]+[9]+4+1+6+4+2+7)
5º - Ser Glass Eternity (Marcelo Bellotti) - 43 pp (5+6+1+[11]+[7]+[11]+[14]+3+1+5+3+5+6+7+1)
 
RGS-A - 11 regatas e 3 descartes
1º - Jazz (Valéria Ravani) - 8 pp (1+1+[2]+[3]+1+1+1+1+[3]+1+1)
2º - Inaê/Transbrasa (Bayard Umbuzeiro Filho) - 21 pp (2+[5]+4+2+[6]+2+4+2+1+[8]+4)
3º - Urca / BL3 (Pedro Rodrigues) - 24 pp ([4]+2+[6]+[5]+4+3+3+4+4+2+2)
 
RGS-B - 11 regatas e 3 descartes
1º - Suduca (Marcelo Claro) - 11 pp (1+1+[2]+2+[5]+1+1+2+1+2+[3])
2º - Asbar II (Sergio Klepacz) - 11 pp (2+2+1+1+2+[3]+[3]+1+[3]+1+1)
3º - Kanibal (Martin Bonato) - 28 pp ([6]+[6]+[6]+6+6+2+2+3+2+3+4) 
 
RGS-C - 11 regatas e 3 descartes
1º - Rainha (Paulo Eduardo) - 8 pp ([3]+[2]+[1]+1+1+1+1+1+1+1+1)
2º - Ariel (Andreas Kugler) - 14 pp (1+1+[2]+[2]+[2]+2+2+2+2+2+2)
 
RGS-Cruiser - 11 regatas e 3 descartes
1º - Boccalupo (Claudio Melaragno) - 11 pp (1+1+[3]+1+[2]+[2]+1+1+2+2+2)
2º - Cocoon (Luiz Caggiano) - 14 pp ([6]+[5]+2+2+[3]+1+2+2+3+1+1)
3º - Brazuca (José Rubens Bueno) - 17 pp (2+[3]+1+[4]+1+[4]+3+3+1+3+3)
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook