Michel Macedo faz estreia olímpica em PyeongChang

Jovem esquiador não concluiu primeira descida da prova e agora se prepara para o Slalom Especial / Foto: Gustavo Harada/COBJovem esquiador não concluiu primeira descida da prova e agora se prepara para o Slalom Especial / Foto: Gustavo Harada/COB

Coreia do Sul - Na noite do último sábado, dia 17 de fevereiro, Michel Macedo fez sua estreia olímpica na pista de Yongpyong, em PyeongChang. Mais novo representante da delegação brasileira, com 19 anos, Macedo fez boa primeira descida, no entanto perdeu a antepenúltima porta obrigatória, a poucos metros da chegada, e não concluiu a prova.
 
Desgastada após as diversas disputas de outras disciplinas do Ski Alpino, a pista de Yongpyong se provou um grande desafio para diversos atletas. Além de Michel, 23 outros atletas não finalizaram a primeira descida. Um atleta não largou e mais nove não chegaram a cruzar a linha final. De 110 competidores participantes, 35 não finalizaram a disputa.
 
“Estava esquiando muito bem na parte de cima da pista. Percorri mais de noventa por cento do percurso bem, mas no final perdi a linha e não consegui passar por uma das últimas portas. É desapontador”, pontuou Michel.
 
“A pista está cheia de buracos, com a neve muito dura. Algumas portas estavam bem esburacadas. Mesmo os esquiadores experientes não foram tão bem hoje, como em uma etapa de Copa do Mundo por causa das ondulações”, completou o brasileiro.
 
Em recuperação de torção no joelho esquerdo causada por queda em treinamento no último dia 6, Macedo tinha perdido as duas primeiras provas para as quais estava inscrito, o Super Combinado e o Super G. “O joelho ainda está um pouco inchado, mas na hora da prova eu não senti nada. Estava tão focado na pista que me esqueci da dor. Eu não perdi a porta por causa do joelho, foi uma bobeada técnica mesmo”, afirmou.
 
Na sequência dos Jogos Olímpicos, Michel Macedo será responsável pela última prova da equipe brasileira dos esportes de neve em PyeongChang. Nesta quarta-feira, dia 21, o esquiador brasileiro disputa a disciplina mais técnica do programa do ski alpino, o Slalom Especial.
 
“Vou seguir treinando e fazendo fisioterapia para mandar ver no Slalom”, disse. “O que dá para tirar de positivo de hoje e levar para a última prova é que eu esquiei bem e o meu joelho não doeu. Vou esquecer da falha, lembrar de como me senti bem na pista e completar o Slalom”, finalizou.
 
O vencedor do Slalom Gigante dos Jogos Olímpicos PyeongChang 2018, após as duas descidas, foi o austríaco Marcel Hirscher (2min18s04 no total), seguido do norueguês Henrik Kristoffersen (2min19s31) e do francês Alexis Pinturaults (2min19s35).
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook