Rodrigo Koxa fatura o ‘Oscar’ das ondas gigantes da WSL

Rodrigo Koxa recebe o troféu / Foto: DivulgaçãoRodrigo Koxa recebe o troféu / Foto: Divulgação

Estados Unidos - O surf do Brasil está novamente no topo do Mundo e em “grande” estilo. O guarujaense Rodrigo Koxa não só faturou o badalado prêmio especial Quiksilver XXL Biggest Wave, no Big Wave Awards, da World Surf League (WSL), como teve a sua onda oficializada como a maior já surfada na história.
 
A onda surfada por Koxa no dia 8 de novembro de 2017, em Nazaré, Portugal, foi declarada como novo recorde mundial, com incríveis 80 pés (cerca de 24,4 metros), superando a marca anterior, que era de Garrett McNamara, um ídolo e mentor do surfista brasileiro. Para o atleta que sempre esbanja simpatia e felicidade, o momento da premiação no Red Bull Headquarters, em Santa Mônica, na Califórnia (EUA), foi mais do que especial.
 
“Foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. Momento mágico, que aguardei a vida inteira, porque sempre amei onda grande, desde criança. Eu via alguém surfando onda grande e tremia, queria saber sempre mais e agora vivenciar isso, não tem preço. Estou realizadíssimo. Já estava realizado quando peguei a onda e agora é o sonho concretizado”, vibrou o surfista direto da Califórnia.
 
Para chegar até a entrega do prêmio, o surfista de 38 anos, que mora na Praia da Enseada, em Guarujá, superou muitos desafios, inclusive um transtorno de stress pós-traumático, similar quando um soldado volta da guerra, como ele mesmo define. Enfrentou falta de patrocínios, vendendo camisas da marca de roupas criadas por ele, a Koxa Bomb para poder viajar, e teve de batalhar nas montanhas de água com uma estrutura mais enxuta, para alcançar uma onda que já entrou para a história do surf mundial.
 
Estava confiante, mas passou por momentos de stress, de ansiedade, aguardando o resultado. “Eu estava com uma confiança muito grande dessa vez. Fiz um trabalho de alinhamento com Deus, entendi que já tinha feito a minha parte e fiquei leve”, revelou.
 
“Quando fui anunciado foi sensacional. Todos me abraçando, me levantando, falando: Koxa você bateu o recorde. Veio o Greg Long, Ian Walsh, Peter Mel, Gary Linden, Sebastian Steudtner. O primeiro cara que me abraçou foi o Ross Clarke Jones, um grande ídolo. Eu vendo meus ídolos me abraçando num momento desses não tem preço”, ressaltou o surfista, que foi elogiado também por McNamara, desbravador da onda de Nazaré, citando o novo recordista como exemplo de gratidão e humildade.
 
Sem tentar não esquecer ninguém, ele citou quem o ajudou. “Foi uma sinergia muito grande. Quem me deu força nas redes sociais, me fizeram acreditar que o sonho poderia ser realizado sim. Especialmente minha mulher, que fez um trabalho na minha cabeça quando tive o transtorno de stress pós-traumático. No pior momento da minha vida, ela esteve do meu lado e agora a gente comemorou juntos, com a maior alegria do Mundo”, reconheceu.
 
“Agradeço os meus pais, que investiram em mim desde criança, entenderam que eu tinha um sonho e fizeram de tudo. Abriram mão de viajarem, para eu poder estar no Havaí, plantando essa semente. A primeira ligação foi para eles e estavam acompanhando, chorando. Foi emocionante. É maravilhoso quando os pais acreditam nos filhos. Esse prêmio tem tudo a ver com eles”, dedicou.
 
Por fim, o brasileiro agradeceu os patrocinadores que o ajudaram muito nos momentos difíceis da carreira.
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook