Vadão e técnicos comentam o chaveamento do futebol feminino

Vadão elogiou o crescimento do futebol chinês, primeiro adversário da seleção feminina nos Jogos Rio 2016 / Foto: Getty ImagesVadão elogiou o crescimento do futebol chinês, primeiro adversário da seleção feminina nos Jogos Rio 2016 / Foto: Getty Images

Rio de Janeiro - O sorteio dos grupos do torneio olímpico feminino de futebol colocou China, Suécia e África do Sul no caminho da Seleção Brasileira. A estreia será contra as chinesas, às 16h do dia 3 de agosto, no Estádio Olímpico (Engenhão), no Rio de Janeiro.
 
A seguir, o adversário é a Suécia, às 22h do dia 6, no mesmo Engenhão. A terceira e última partida da primeira fase será contra a África do Sul, às 21h do dia 9 de agosto, na Arena da Amazônia, em Manaus.
 
Técnico da equipe brasileira, Oswaldo Alvarez, o Vadão, considerou o grupo equilibrado, assim como os demais. “Até pelo critério que a FIFA usa de distribuir pelo ranking, então você vê que todo grupo tem duas seleções consideradas favoritas. Acho que nosso grupo não foi diferente”, disse, após a cerimônia do sorteio, realizada nesta quinta-feira (14.04), no Maracanã, no Rio de Janeiro.
 
Ele conta com grande apoio da torcida em toda a primeira fase. “Vamos jogar duas no Rio. Estamos dentro do clima olímpico, tudo é aqui no Rio, óbvio que nós teremos uma recepção muito boa. Mas quem está dando mais público no campeonato feminino brasileiro é o Iranduba, que joga na Arena de Manaus. O público lá tem reconhecido o futebol feminino. Então acho que teremos um apoio maciço da torcida nos três jogos.”
 
“Será muito empolgante jogar contra o Brasil, haverá muita gente no estádio”, acrescentou o francês Bruno Bini, que esta à frente da equipe da China, adversária do Brasil na estreia.
 
Sobre o primeiro oponente, Vadão comentou o trabalho que vem sendo feito no futebol chinês. “A China vem numa ascensão muito grande, visto o que está sendo feito com os jogadores brasileiros, tanto no masculino quanto no feminino. É um plano de governo.”
 
Futebol-referência - Duas vezes campeã do torneio olímpico de futebol comandando os Estados Unidos (Pequim 2008 e Londres 2012), a sueca Pie Sundhage estará à frente do país de nascimento no Rio 2016. A treinadora destacou a oportunidade de jogar contra o time que considera referência no futebol e exaltou a principal jogadora brasileira, que atualmente joga pelo FC Rosengard, na Suécia.
 
“É muito legal jogar contra o Brasil. Quando se fala em futebol, para mim o Brasil é futebol. Como técnica dos Estados Unidos, eu encontrei a Marta algumas vezes. E também a tenho visto várias vezes na liga sueca. Somos muito orgulhosos do fato de que ela ainda jogue na Suécia, elevando o nível do futebol. Estar aqui no Rio e jogar não só contra ela, mas contra outras jogadoras como Cristiane, será fantástico”, disse Pie.
 
Sonho - Técnica da África do Sul, a holandesa Vera Pawn demonstrou muita satisfação com o sorteio dos grupos que definiu o caminho da segunda participação do país africano no futebol feminino em Jogos Olímpicos.
 
“Estamos muito animados porque vamos jogar os primeiros dois jogos no Rio e depois vamos a Manaus jogar contra o país-sede. Com o que mais você poderia sonhar? Não importa o que aconteça conosco, vamos deixar a África do Sul orgulhosa. Qualquer chaveamento seria complicado para nós, faremos o que for possível no grupo”, comentou Pawn.
 
A equipe será alvo de análise detalhada por parte da seleção brasileira. “A África do Sul é a novidade, porque na minha passagem pela seleção eu não tive a oportunidade de jogar contra eles. É uma equipe de velocidade e força e daqui pra frente vamos estudar melhor para saber os detalhes”, explicou Vadão.
 
Planejamento - A seleção brasileira jogará dois amistosos antes dos Jogos Olímpicos contra a seleção canadense, no Canadá, em 4 e 7 de junho, e Vadão espera contar com a equipe completa nesses compromissos. A convocação final para os Jogos será feita em julho. O grupo vai se reunir gradativamente, à medida que as jogadoras terminarem a participação no Campeonato Brasileiro.
 
“Todo o investimento que foi feito este ano e no ano passado na seleção permanente foi muito importante. Realmente temos um grupo consciente da nossa responsabilidade e principalmente da nossa capacidade”, afirmou o técnico brasileiro. A preparação emocional, segundo Vadão, será uma das prioridades até a estreia, em 3 de agosto.
 
“Não estamos 100% preparados hoje, temos que nos preparar para essa parte emocional, a ansiedade, a torcida a favor, tudo isso será trabalhado. Esse aspecto é fundamental e temos que estar muito bem equilibrados”, analisou Vadão.
 
Regulamento - No torneio feminino, as 12 seleções estão em três chaves. A primeira fase terá 18 partidas. Avançam para os jogos eliminatórios das quartas de final as duas melhores equipes de cada grupo e as duas melhores entre as terceiras colocadas. A decisão do ouro será às 17h30 do dia 19 de agosto, também no Maracanã.
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Curta - EA no Facebook