Bolsa-Atleta bate mais um recorde

O programa Bolsa-Atleta do Ministério do Esporte bate mais um recordeO programa Bolsa-Atleta do Ministério do Esporte bate mais um recorde

Brasília - O programa Bolsa-Atleta do Ministério do Esporte bate mais um recorde. O Diário Oficial da União (DOU) publicou, nesta segunda-feira (22.07), a lista dos atletas contemplados pelo programa no exercício 2013 para as modalidades olímpicas e paralímpicas, com base nos resultados esportivos de 2012. Foram contemplados 5.691 atletas, distribuídos nas diferentes categorias: Base (266), Estudantil (234), Nacional (3.858), Internacional (944) e Olímpico/Paralímpico (389).
 
Esta é a segunda lista divulgada neste ano para os esportes olímpicos e paralímpicos. A primeira, no mês de fevereiro, foi referente aos resultados esportivos de 2011 (exercício 2012). Agora, com os dois benefícios neste ano, o governo federal garante a equivalência do repasse financeiro ao desempenho esportivo do ano imediatamente anterior. O Ministério do Esporte quitou o pagamento total das bolsas da primeira lista no mês de maio. Foram 4.992 atletas de 55 modalidades que pertencem aos programas dos Jogos Olímpicos e dos Jogos Paralímpicos. Neste ano, o Orçamento Geral da União reservou R$ 180 milhões para pagamento da Bolsa-Atleta. As bolsas têm valor de R$ 370 (categorias Estudantil e de Base), R$ 925 (Nacional), R$ 1.850 (Internacional) e R$ 3.100 (Olímpica/Paralímpica).
 
A lista do exercício 2013 conta com nomes consagrados do esporte nacional, como os medalhistas olímpicos Cesar Cielo (natação), Thiago Pereira (natação), Felipe Kitadai (judô), Rafael Silva (judô), Yane Marques (pentatlo moderno), Esquiva Falcão (boxe), Yamaguchi Falcão (boxe), Bruno Prada (vela), Murilo Endres (vôlei), Jaqueline Carvalho (vôlei) e a melhor jogadora de handebol do mundo, Alexandra Nascimento. E muitos medalhistas paraolímpicos, entre eles Daniel Dias (natação), Daniele Bernardes (judô), Dirceu Pinto (bocha), Edenia Garcia (natação), Alan Fonteles (atletismo), Jovane Guissone (esgrima), Yohansson do Nascimento (atletismo), Romário Diego Marques (goalball) e Jeferson da Conceição Gonçalves, o Jefinho (futebol de 5).
 
O secretário de Esporte de Alto Rendimento do Ministério, Ricardo Leyser, destaca o contínuo crescimento do programa “tanto em número de bolsistas quanto em orçamento anual”. Para ele, “essa progressão só é possível por causa da realização dos Jogos Olímpicos no Brasil, que impulsionou o esporte brasileiro e consequentemente os investimentos do governo em nossos atletas”. Leyser também ressalta a abrangência do programa. “A bolsa apoia desde os garotos que estão começando no esporte escolar até os atletas que sobem ao pódio nas grandes competições mundiais, passando por novos talentos que despontam em várias modalidades, como a Ana Sátila da canoagem, o Hugo Calderano do tênis de mesa, a Lohaynny Vicente do Badminton, a Joice Silva da luta olímpica, o William Muinhos do pentatlo moderno e tantos outros”.
 
O secretário ainda destaca a cooperação das confederações e do Comitê Paralímpico Brasileiro para assegurar que seus atletas façam as inscrições no prazo e cumpram os requisitos legais, além de darem a eles a orientação necessária para o envio da documentação correta e para a prestação de contas dos recursos recebidos. “Sem essa parceria o programa não cresceria no ritmo dos últimos anos”, diz Leyser. “Essa atenção das confederações faz com que algumas modalidades, como a canoagem, tenham números altos de atletas contemplados”, lembra o dirigente do Ministério.
 
Entre os bolsistas também estão talentos que começaram a vida esportiva em outros programas do Ministério do Esporte, como os canoístas Erlon de Souza e Isaquias Queiroz, que despontaram no programa Segundo Tempo na Bahia, e a esgrimista Rayssa Costa, que surgiu no projeto Descoberta de Talento Esportivo. Há medalhistas olímpicos que recebem a Bolsa-Atleta há anos, como Adriana Araújo, do boxe, Mayra Aguiar, do judô, Arthur Zanetti, da ginástica, e Sarah Menezes, que está no programa desde 2006.
 
Patrocínio individual - Desde 2005, a Bolsa-Atleta é o maior programa de patrocínio individual de atletas do mundo. Para obter o apoio, é preciso que obtenham bons resultados (primeiro, segundo ou terceiro lugar) nas competições, independentemente de sua condição econômica. As competições qualificatórias para a bolsa são indicadas pelas confederações e podem ser de âmbito estudantil, nacional, sul-americana, pan-americana ou mundial. Atletas que participaram de Jogos Olímpicos e Jogos Paralímpicos ficam aptos ao apoio já no ano seguinte, desde que permaneçam treinando e competindo.
 
O programa tem objetivo de garantir condições mínimas para que os atletas se dediquem com exclusividade aos treinos e, com isso, melhorem seu rendimento nas competições.
 
Bolsa Pódio - A partir de agosto, vários bolsistas de esportes individuais poderão migrar para a Bolsa Pódio, que começa a funcionar neste ano. Essa nova categoria faz parte do Programa Atleta Pódio, cujo edital foi lançado pelo Ministério do Esporte no dia 18 de julho. Os candidatos à Pódio foram pré-selecionados a partir de critérios como ranking internacional, evolução dos resultados esportivos dos últimos três anos e perspectivas de conquista de medalha nos Jogos Olímpicos e nos Jogos Paralímpicos de 2016. Para migrar para a Bolsa Pódio, que faz parte do Plano Brasil Medalhas e tem valores entre R$ 5 mil e R$ 15 mil, é preciso que tenham seu Plano Esportivo aprovado. Os demais atletas bolsistas continuarão recebendo apoio do Ministério do Esporte normalmente.

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
Mascotes
Curta - EA no Facebook