Um dos maiores campeões do ciclismo mundial pode ter salvado 800 judeus

Um dos maiores campeões da história do ciclismo, Gino Bartali, pode ter sido um dos ”justiceiros”, em Israel / Foto: UCIUm dos maiores campeões da história do ciclismo, Gino Bartali, pode ter sido um dos ”justiceiros”, em Israel / Foto: UCIItália - Um dos maiores campeões da história do ciclismo, Gino Bartali, pode ter sido um dos ”justiceiros”, em Israel. Quase 70 anos após os acontecimentos, e 12 anos após sua morte, finalmente surgem às provas para iluminar suas ações, até então desconhecidas, durante a Segunda Guerra Mundial, onde ajudou a salvar a vida de 800 judeus.

 

Em 1943 Bartali, que já tinha vencido o Tour de France uma vez  e o Giro d’Italia duas vezes, foi designado pelo regime fascista para fazer parte da polícia de trânsito, antes de deixar o cargo em 8 de setembro. Foi quando ele passou à clandestinidade, escolhendo ajudar judeus perseguidos contrabandeando fotos de identidade para um convento que produzia papéis falsificados.

Na medida em que os soldados que guardavam o caminho entre Florença e San Quirico, perto de Assis, estavam envolvidos, Bartali estava apenas em uma corrida de treinamento de 380 km. Na verdade, documentos valiosos estavam escondidos dentro da estrutura e do banco de sua bicicleta.

Detalhes sobre as ações de Bartali começaram a surgir apenas dois anos atrás, graças a um projeto de pesquisa da universidade que recolheu o depoimento de uma freira, sobrevivente do Holocausto e de seus descendentes. Andrea Bartali, sua filha, continuou sua pesquisa com o apoio da comunidade judaica na Toscana e da jornalista Laura Guerra.

Em Israel, o Memorial Yad Vashem, atualmente, está estudando as provas a fim de conceder à Bartali a distinção póstuma de “O justiceiro entre as nações”, concedido àqueles que colocaram suas vidas em perigo para salvar judeus.

Até a sua morte, Bartali raramente falava sobre estes atos de bravura, mantendo em segredo até mesmo de sua esposa. Um dia, simplesmente, ele disse: “Bondade é algo que você faz, não algo que você fala sobre. Algumas medalhas são para ser presas à sua alma, não em seu casaco”.

Por volta de 1943, ele foi jogado na prisão por 45 dias, oficialmente por causa de seu apoio ao Vaticano, que se opôs ao regime fascista. Por acaso, ele nunca foi obrigado a comparecer perante o tribunal de guerra especial e foi libertado sem julgamento.

Em sua libertação, ele retomou sua carreira e ganhou pela terceira vez o Giro d,Italia e o segundo Tour de France, enquanto seus fãs não podiam saber o bastante de sua rivalidade com o lendário Fausto Coppi.

Hoje, a Fundação Bartali homenageia sua memória e o reitera como um dos grandse campeões dizendo: “Se o esporte não é uma escola de vida e fraternidade, ele é inútil”.

1

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

CEO da CBDN

Pedro Cavazzoni fala sobre PyeongChang 2018

Esportes de Neve

Victor Santos fala sobre o Cross Country

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook