Musas, falha e heróis brasileiros: dez momentos marcantes de Sochi 2014

Cerimônia de encerramento de Sochi 2014 / Foto: Sochi Olympic GamesCerimônia de encerramento de Sochi 2014 / Foto: Sochi Olympic Games

Rio de Janeiro - Com a maior delegação da história dos Jogos Olímpicos, o Brasil, segundo o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) evoluiu nos Jogos de Sochi, mesmo estando nos últimos lugares em quase todos os esportes que disputou. 

 

Segundo Stefano Arnhold, chefe da missão brasileira na Rússia, a evolução está nos recordes quebrados em número de atletas, de modalidades e provas disputadas.

É verdade também que, sendo um país tropical, sem ambiente propício para a prática dos esportes de gelo e de neve, os atletas brasileiros representaram muito bem o Brasil apenas por participarem. Em muitos casos, ainda, a emoção tomou conta das exibições, talvez graças à dificuldade de se chegar a uma disputa olímpica representando um país sem tradição no esporte de inverno. 

Mas não só os momentos emocionantes protagonizados por atletas brasileiros marcaram os Jogos de Inverno. Heróis com exibições impecáveis, problemas técnicos e situações inusitadas também serão lembradas na história das Olimpíadas de Sochi. 

Dito isso, o Esporte Alternativo reuniu aqueles que podem ser considerados os 10 momentos mais marcantes dos Jogos. Confira abaixo: 

 

Falha da cerimônia de abertura estampou até camiseta na internet / Foto: Reprodução FacebookFalha da cerimônia de abertura estampou até camiseta na internet / Foto: Reprodução Facebook

10 - Anel Olímpico falha na abertura

Bastou a cerimônia de abertura oficial, no Estádio Fisht, para os Jogos Olímpicos de Sochi já entrarem para a história com uma das maiores falhas técnicas já ocorridas. No início, quando os cinco anéis que formam o símbolo máximo do movimento olímpico deveriam se abrir, algo de errado ocorreu e o círculo que representa as Américas simplesmente não abriu. 

A falha foi destaque na imprensa internacional e as piadas se difundiram rapidamente pela internet. Em uma delas, o "novo símbolo", sem um dos anéis, estampa até uma camiseta. 

Na cerimônia de encerramentos dos Jogos, no domingo, a própria organização brincou com a falha fingindo ter errado novamente. A brincadeira foi bem recebida pelo público. 

 

Eva Muirhead, musa da equipe britânica de curling, bronze em Sochi / Foto: 2014 Sochi Olympic Games Eva Muirhead, musa da equipe britânica de curling, bronze em Sochi / Foto: 2014 Sochi Olympic Games 9 - Curling e suas musas nas graças do público

Desde os Jogos de Vancouver, em 2010, que o curling chama a atenção do público brasileiro. O inusitado esporte, em Sochi, não fez diferente. As disputas com a vassourinha atraíram a atenção dos espectadores, muito por conta também das "musas" da modalidade. 

Uma delas, porém, terminou em nono lugar. A russa Anna Sidorova, para tristeza da torcida local, não conseguiu ir longe no torneio feminino de curling. 

Outra que chamou a atenção foi Eva Muirhead. A britânica, além de ajudar sua equipe na conquista do bronze sobre a Suiça, certamente atraiu muitos olhares para o Cubo de Gelo. Considerada a "Rainha do Gelo" pela imprensa de seu país, Eva já posou inclusive para um calendário sexy. 

 

Rapazes se refrescam do calor em Sochi na praia / Foto: Picture EPARapazes se refrescam do calor em Sochi na praia / Foto: Picture EPA

8 - Cadê a neve?

A primeira coisa que se encontra em uma cidade-sede dos Jogos de Inverno é neve, constantamente, certo? Errado. Em Sochi o que chamou a atenção foi justamente a falta dos pequenos flocos de gelo. 

Além disso, o calor - excessivo para os Jogos de Inverno -, foi alvo de ironias da imprensa internacional. O jornal britânico METRO chegou a publicar, em sua capa: "Não deveria estar nevando?". 

O fato é que Sochi, como todos sabem, não é uma cidade tão fria quanto suas antecessoras, sedes das Olimpíadas de Inverno. Considerada um resort, bastante procurado pelos russos no verão, a cidade fica às margens do Mar Negro. Ou seja: as pessoas estão acostumadas ao calor e a se refrescarem nas águas oceânicas. 

As temperaturas na cidade, durante os Jogos, chegaram a atingir máximas de 15° C, o que é bastante para as circunstâncias - e não ajuda em nada na manutenção da neve artificial.

 

Foto marcante da linha de chegada do esqui cross-country / Foto: Reprodução TwitterFoto marcante da linha de chegada do esqui cross-country / Foto: Reprodução Twitter

7 - Melhor foto da linha de chegada da história
 

O momento mais esperado de toda competição é, claro, o final. Em se tratando de uma disputa como a do esqui cross-country, a chegada pode ser bastante disputada e, até, inusitada. 

Nas quartas de final da disputa olímpica masculina, a foto da linha de chegada pode ser considerada a melhor da história. 

Os três esquiadores que lideravam a prova chegaram praticamente juntos e se esforçaram absurdamente para chegar à frente. O resultado? A foto ao lado, em que todos parecem se desesperar com seus esquis para passar às semifinais. 

No Twitter oficial dos Jogos, os responsáveis publicaram a foto com a seguinte legenda: "Essa não é a melhor foto de linha de chegada?". É, talvez seja mesmo. 

 

Equipe de bobsled conquista o 13º ouro para a Rússia / Foto: Sochi Olympic GamesEquipe de bobsled conquista o 13º ouro para a Rússia / Foto: Sochi Olympic Games

6 - Anfitriões e campeões

Certamente o presidente russo Vladimir Putin tem motivos de sobra para sorrir nesta segunda-feira. Além de ter conseguido o seu maior objetivo, que era mostrar ao mundo uma Rússia renovada após o fim da União Soviética, ele alcançou também o topo do quadro de medalhas dos Jogos. 

Com 13 ouros e 33 medalhas no total, a Rússia se consagrou como o melhor país em esportes de Inverno. Atrás dela, Noruega e Canadá, com 11 e 10 ouros cada, respectivamente.

A Holanda, quinta colocada no geral, também mostrou seu domínio em determinados esportes, sobretudo na patinação de velocidade, onde chegou inclusive a fazer um pódio triplo. 

Na modalidade a Holanda se consagrou com 23 pódios: oito ouros, sete pratas e oito medalhas de bronze. 

 

Russa se emociona após apresentação em Sochi / Foto: Xinhua / Wang LiliRussa se emociona após apresentação em Sochi / Foto: Xinhua / Wang Lili

5 - Resultado polêmico na patinação artística

Um dos esportes mais bonitos de se ver nos Jogos de Inverno, a patinação artística não chamou a atenção apenas dentro da pista de gelo. O resultado do torneio individual feminino foi bastante contestado pelas torcidas. 

Uma petição, inclusive, foi criada na internet e já contava com mais de um milhão de assinaturas pedindo mais investigação e transparências nas notas dadas pelos juízes nas apresentações da modalidade. 

Adelina Sotnikova, que ficou com o ouro, foi alvo de críticas por ter se desequilibrado em determinado momento - sem, entretanto, chegar a cair - enquanto que outras patinadoras fizeram exibições perfeitas e ficaram atrás dela. 

Ashley Wanger, sétima colocada, criticou muito o resultado. "As pessoas não querem assistir a um esporte no qual você vê gente caindo e ganhando uma nota maior do que quem fez um movimento perfeito. É confuso e precisamos deixar mais claro para eles [a torcida]", pediu a atleta. 

 

Equipe de ouro do biatlo ucraniano / Foto: NOC of Ukraine / FacebookEquipe de ouro do biatlo ucraniano / Foto: NOC of Ukraine / Facebook

4 - Bombas e mortes em Kiev e ouro para a Ucrânia em Sochi

Uma verdadeira guerra civil ocorrendo na capital ucraniana, Kiev, com mais de 70 vidas perdidas nos confrontos entre manifestantes opositores ao governo e as tropas policiais.

A Praça da Independência, no centro da cidade, ficou totalmente destruída após os protestos sangrentos da semana passada e a comunidade internacional estava bastante preocupada com os rumos da situação na Ucrânia. 

Diante dessas circunstâncias, porém, o quarteto feminino do biatlo fez história ao levar o primeiro ouro da Ucrânia, em 20 anos, no revezamento 4x6 km. A medalha, ovacionada por público e imprensa, talvez seja a mais popular dos Jogos, frente aos acontecimentos simultâneos que ocorriam em Kiev. 

Momentos após as garotas conquistarem o ouro, o parlamento ucraniano parou as discussões sobre o rumo das manifestações e o orador parabenizou a equipe campeã. "Grande prova de como o esporte pode unir uma nação", publicou no Twitter Sergey Bubka, presidente do Comitê Olímpico Ucraniano. 

 

Isadora Williams / Foto: Reprodução / SporTVIsadora Williams / Foto: Reprodução / SporTV

3 - Brasil faz história com Isadora Williams

Primeira representante brasileira na história da patinação artística, Isadora Williams foi aplaudida intensamente pelas 12 mil pessoas presentes no Palácio Iceberg, em Sochi.

Com uma apresentação com algumas falhas e bastante simples, a atleta caiu no gosto da torcida com uma música clássica de drama russo. Após a exibição, que a deixou em último lugar com a nota de 40.37, Isadora arriscou algumas palavras em português - a patinadora vive nos Estados Unidos - para agradecer a oportunidade de representar o Brasil numa Olimpíada. 

"Obrigado. Quer dizer, 12 mil pessoas, né? É muito bom representar as pessoas no Brasil. Me desculpa, eu não bati muito bem", afirmou a patinadora, tentando usar as palavras que aprendeu no português nos últimos meses. 
 
"Muito obrigada Brasil por seu apoio. Sou muito orgulhosa de representar vocês", concluiu a atleta.
 
 
Dupla brasileira em sua última descida em Sochi / Foto: Reprodução / SporTVDupla brasileira em sua última descida em Sochi / Foto: Reprodução / SporTV
2 - Dupla brasileira no bobsled surpreende ao desabafar
 
Após completar as quatro descidas sem nenhum problema grave, Sally e Fabiana, representantes femininas do Brasil no bobsled, que conquistaram a vaga inédita na modalidade, surpreenderam os espectadores com um desabafo. 
 
Fabiana foi bastante franca ao se referir a pessoas que, segundo ela, torcem o nariz para o esporte de inverno no Brasil. "Peço um pouco de respeito para alguns torcedores aí que, infelizmente, acabam fazendo comentários desnecessários", afirmou.
 
Segundo a atleta, falta respeito ao trabalho da dupla. "Eu respeito a opinião de todos mas peço também que respeitem o nosso trabalho. Estamos aqui, de coração, defendendo a nossa bandeira e não gostaríamos de sermos desrespeitadas", contou Fabiana.
 
O bobsled feminino do Brasil terminou em último no ranking, com o tempo de 4:01.95, ou 11.34 segundos atrás das primeiras colocadas.
 
 
Lais Souza e Josi Santos, companheiras de treinos no esqui aerials, antes do acidente da ex-ginasta / Foto: Flickr CBDNLais Souza e Josi Santos, companheiras de treinos no esqui aerials, antes do acidente da ex-ginasta / Foto: Flickr CBDN
1 - O drama de Laís Souza e a superação de Josi Santos
 
O grave acidente de Lais Souza, pouco tempo antes de sua participação inédita no Esqui Aerials, em Sochi, chocou o Brasil. Internada por alguns dias em Salt Lake City, a atleta foi, durante os Jogos, transferida para Miami e tem apresentado evoluções constantes. Nos últimos dias, já consegue respirar sem aparelhos. 
 
A substituta imediata de Lais e parceira de treinos, Josi Santos, quase não foi a Sochi competir no lugar da amiga. Enfrentando o desafio de representar o Brasil em uma modalidade inédita e a dificuldade de superar todo a dor pelo aicdente de Lais, Josi fez bonito: saltou duas vezes, sem cair. 
 
Ao fim do último salto, a atleta não se conteve e chorou, chorou muito. Josi chamou a atenção inclusive da imprensa internacional após as lágrimas. A emoção da atleta levou jornalistas de vários países a buscarem entrevistas com ela após seus dois saltos.
 
"Eu me mantive o tempo inteiro concentrada, pensando no salto para homenagear ela. Não queria cair, fazer feio. Ela estava ali do meu lado. Me dando força e incentivo. Pensei sempre nela para fazer um bom salto", disse, aos prantos, após sua exibição no Parque Rosa Khutor. 
 
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Curta - EA no Facebook