Synchro Open termina com gosto de "quero mais" para 2016

Ona Carbonell, ouro no solo / Foto: Satiro Sodré/CBDAOna Carbonell, ouro no solo / Foto: Satiro Sodré/CBDA

Rio de Janeiro - O 4º Brasil Synchro Open terminou na manhã deste domingo, 12/04, no Parque Aquático Maria Lenk, mesmo palco onde serão disputadas as medalhas do nado sincronizado nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Com nove países participantes, além do Brasil, a competição se firmou no calendário de torneios abertos que acontecem em vários países fora dos períodos de eventos da Federação Internacional de Natação - FINA. 
 
O Synchro Open deste ano testou as coreografias técnicas da seleção brasileira que estão sendo aperfeiçoadas para 2016, trouxe a grande novidade do dueto misto e estabeleceu intercâmbio importante com medalhistas olímpicas e mundiais como Espanha, China e Ucrânia.
 
"4º Brazil Synchro Open é muito importante para o crescimento da modalidade no Brasil e tem enorme aceitação pelos outros países. Todos nos cobram a realização do evento e agradecem a oportunidade de conhecer a piscina dos Jogos Olímpicos. Além de ser fundamental para a preparação da equipe brasileira. Este ano a competição entrou para a história com a estreia de um dueto misto, com a dupla da Ucrânia, na América do Sul. Esta nova prova abriu uma janela no Nado Sincronizado e só tende a crescer e ganhar força",  disse Sônia Hercowitz, supervisora técnica da modalidade na CBDA.
 
O time brasileiro ganhou medalha de prata na prova de Rotina Combinada, na sexta-feira, e bronze na prova de Equipe Técnica, no sábado. No domingo, 12/04, último dia, o público viu as provas de equipe e solo livre. O time principal do Brasil, Ucrânia, Espanha e China não competiram nestas provas. O Brasil porque ainda estão em fase de montagem da rotina de equipe que será apresentada nos Jogos Pan-Americanos de Toronto e no Mundial dos Esportes Aquáticos de Kazan. O time da Argentina venceu a disputa livre de equipe, com 81.366 pontos, seguidas pelo time do Flamengo (78.566) e seleção brasileira juvenil (78.133). No solo, a espanhola medalhista olímpica de dueto Ona Carbonell foi a vencedora (92.100), com a ucraniana Ana Voloshyna em segundo (89.933) e outra espanhola, Cristina Salvador (87.166) em terceiro lugar.
 
"A nossa avaliação é boa! As meninas mostraram progresso e as notas aumentaram, tanto no dueto quanto no combo. Tivemos boas nadadas. O dueto principal alcançou as metas que delimitamos, mas nós queremos sempre mais. Já recebemos elogios das outras seleções e o reconhecimento de evolução também é muito importante. Apesar de não ser um dos nossos principais objetivos (por fazer parte do programa olímpico) o combo se apresentou muito bem, mesmo com a ausência Lorena Molinos, por lesão, na última semana, as meninas se recuperaram e fizeram uma bela apresentação", Maura Xavier.
 
Para as atletas brasileiras competir no parque aquático que será o local da disputa olímpica traz uma motivação a mais. A espanhola Ona Carbonell, que já esteve em outras edições do Brazil Synchro Open, após a apresentação do dueto no primeiro dia de provas disse que o Rio de Janeiro é um local especial e que conhecer tão bem a arena olímpica é um diferencial, pois já se sentem um pouco em casa. Para as brasileiras é importante o intercâmbio e a chance de aperfeiçoar a cada apresentação as coreografias olímpicas.
 
"Nós amamos nadar no Maria Lenk. É uma das piscinas mais lindas do mundo, é a nossa casa e temos certeza que vai ser lindo poder nadar a Olímpiada aqui. Todas as estrangeiras elogiam a nossa estrutura e poder fazer esse intercambio com elas é fundamental para a nossa equipe. Estamos muito empolgadas e com vontade de evoluir ainda mais", contou Bia Feres, que foi acompanhada na análise pela irmã gêmea, Branca.
 
"Cada vez mais estamos nossa coreografia está chegando ao padrão das fortes seleções internacionais. Nossa nada também está mais rápida e isto é fruto do nosso trabalho. Ser treinada pela Julie Sauvé é muito bom, porque ela é muito séria e estrategista. Agora é concentrar, treinar e se preparar para os novos desafios", Branca Feres.
 
A equipe brasileira que participou da competição foi composta por Luisa Borges e Maria Eduarda Miccuci (Deuto); Lara Teixeira, Beatriz e Branca Feres, Maria Bruno,Lorena Molinos, Pamela Nogueira, Juliana Damico, Maria Clara Coutinho, Sabrine Lowy e Priscila Japiassú (Equipe).
 
Gláucia Soutinho (Chefe de Equipe); Julie Sauvé, Maura Xavier e Magali Cremona (Técnicas); Flávio Cruz (Médico); Adriana Lacerda (Psicóloga); Leonardo Paolino (fisioterapeuta); Carlos Assis (Preparador Físico); Isabella Toledo (Nuticionista).
 
Resultados:
 
Solo Livre 
1) Espanha - Ona Carbonell - 92100 
2) Ucrânia - Anna Voloshyna - 89.9333 
3) Espanha - Cristina Salvador - 87.1667
 
Equipe Livre 
1) Argentina - 81.36687 
2) Flamengo - 78.5667 
3) Brasil Jr. - 781333
 
 
Veja Também: 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook