Ciclista suspeito na Operação Galgo é encontrado morto

León estava sendo investigado junto com outras 13 pessoas, entre atletas, treinadores e médicos, durante a operação ‘Galgo’ / Foto: DivulgaçãoLeón estava sendo investigado junto com outras 13 pessoas, entre atletas, treinadores e médicos, durante a operação ‘Galgo’ / Foto: DivulgaçãoMadri - Alberto León, ciclista espanhol envolvido no escândalo de “doping” na Operação Galgo, foi encontrado morto na última segunda-feira, dia 16 de janeiro. León, de 37 anos, foi encontrado enforcado na sua casa, nos arredores de Madri, conforme divulgou a polícia espanhola ao jornal “El País”.

León estava sendo investigado junto com outras 13 pessoas, entre atletas, treinadores e médicos, durante a operação ‘Galgo’, que resultou na apreensão de uma grande quantidade de produtos dopantes.

Seis dessas pessoas, entre elas Marta Dominguez, uma das estrelas do atletismo espanhol, foram indiciadas no dia 12 de Dezembro por “crime contra a saúde pública” e “tráfico de estupefacientes”, constando na lista o médico Eufemiano Fuentes, acusado de estar no epicentro de uma outra rede de dopagem, especialmente ligada ao ciclismo, desmantelada pela Operação ‘Puerto’, descoberta anos antes.

O ciclista era suspeito de auxiliar transfusões sanguíneas de atletas, de ajudar ao transporte de substâncias dopantes e ainda de cooperar na limpeza e manutenção das máquinas utilizadas para o "doping".

Apesar das acusações que estava sofrendo, o ciclista deixou uma carta justificando o suicídio pelo fato de estar vivendo uma situação conjugal complicada com a mulher, com quem tem dois filhos. Alberto Léon, em nenhum momento, mencionou no documento escrito, qualquer ligação da sua morte com a operação Galgo e ao uso de substâncias, e consequente envolvimento na investigação.