Ventos fracos reforçam o equilíbrio na Copa Suzuki Jimny de vela oceânica

Caiçara/Porsche (C30) / Foto: Cuca SodréCaiçara/Porsche (C30) / Foto: Cuca Sodré

Ilhabela - As tripulações, assim como a Comissão de Regatas, tiveram um domingo (1º/9) de superação para concluir o primeiro final de semana da terceira etapa da Copa Suzuki Jimny de vela oceânica. As classes 'one design' conseguiram correr duas provas. Na C30, vitória do líder Loyal na primeira e uma conquista inédita do Caiçara Porsche na segunda. O Jimny/Bond Girl dominou as duas disputas na HPE. As demais classes tiveram apenas uma largada. O melhor na ORC foi o Tangaroa, enquanto Infinity, Kanibal, Rainha e Boccalupo venceram suas respectivas divisões na RGS. 
 
O final de semana de verão, em pleno o inverno, ajudou a motivar 37 tripulações a levarem seus barcos para a raia. O equilíbrio em quase todas as classes e o nível técnico não permitem que se fique de fora da raia. Quem eventualmente deixar de correr uma das regatas deste 'segundo turno' pode ter o campeonato comprometido. A primeira e a segunda etapas foram disputadas no primeiro semestre, restando mais duas para a segunda metade do ano. 
 
Os ventos fracos entre 5 e 6 nós, assim como a mudança de direção de sul para leste obrigaram a Comissão de Regatas (CR) a retardar a largada, que estava prevista para ser dada em frente ao Yacht Club de Ilhabela (YCI). A flotilha, conduzida pela CR teve de rumar para o norte. Os ventos rondados e de baixa intensidade tornaram a largada difícil. A CR, depois da primeira tentativa, teve de adotar a bandeira preta (elimina quem queimar a linha) e cinco barcos acabaram desclassificados: Maria Preta, Orson Mapfre, Charlie Bravo, Asbar II e Jambock. 
 
"Do jeito que estava a largada, preferimos sair mais atrás, mas depois fomos acelerando porque percebermos que o vento favorecia quem estava mais perto da Ilha. Na perna de volta conseguimos encurtar o percurso para vencer a regata", relatou Samuel Albrecht, tático do ORC Tangaroa, que passa a semana em Porto Alegre e no próximo sábado estará de volta ao YCI para a conclusão da terceira etapa. O duelo na ORC A segue equilibrado com o veleiro santista Lexus/Chroma.
 
Na RGS A, a liderança é do Jazz, que manteve a regularidade durante o final de semana chegando sempre entre os três primeiros da classe. "A largada foi dificílima, mas conseguimos nos manter na metade onde o vento favorecia. Depois, o maior problema foi fugir da sombra de vento dos barcos maiores. Nossos táticos, Marcão e Ralf Bruder, foram espetaculares, assim como as meninas da proa", elogiou Valéria Ravani que comanda nove tripulantes, cinco mulheres e quatro homens. O Infinity se deu bem na variação do vento e venceu a última regtata da terceira etapa , aproximando-se do Jazz na classificação geral. 
 
A classe C30 viveu um dia inusitado. O Loyal, com 16 vitórias em 18 regatas, viu a tripulação do Caiçara/Porsche comemorar o triunfo na última prova do dia. "A camisa do Mário (responsável pela secretaria do barco) enroscou na catraca e perdemos muito tempo para fazer a manobra", argumentou o comandante Marcelo Massa, pressionado pelos demais tripulantes, aos risos, a demitir o secretário do Loyal. Entre os monotipos da HPE, um dia perfeito para o Jimny/Bond Girl comandado por Rique Wanderley, que fechou o domingo com duas vitórias em duas regatas. 
 
Resultados parciais da terceira etapa:
 
ORC A - após 3 regatas
1º - Tangaroa (James Bellini) - 4 pontos perdidos (1+2+1)
1º - Lexus/Chroma (Luiz de Crescenzo) - 5 pp (2+1+2) 
3º - Infinity (Haroldo Monteiro) 11 pp (4+4+3)
 
C30 - após 4 regatas
1º - Loyal (Marcelo Massa) - 6 pp (1+1+1+3)
2º - Caiçara Porsche (Marcos Cesar de Oliveira) - 10 pp (3+3+3+1)
3º - Barracuda (Humberto Diniz) - 10 pp (2+2+2+4) 
 
HPE - após 5 regatas e 1 descarte
1º - Ginga (Breno Chvaicer) - 10 pp (1+1+1+[8]+7)
2º - Jimny/Bond Girl (Carlos Henrique Wanderley) - 11 pp (6+[8]+3+1+1)
3º - Ser Glass Eternity (Marcelo Bellotti) - 11 pp (2+3+[6]+4+2)
 
RGS A - após 3 regatas
1º - Jazz (Valéria Ravani) - 7 pp (2+3+2) 
2º - Fram (Felipe Aidar) - 11 pp (6+1+4)
3º - Infinity (Haroldo Monteiro) - 11 pp (5+5+1)
 
RGS B - após 3 regatas
1º - Kanibal (Martin Bonato) - 4,5 pp (2+1,5+1) 
2º - Asbar II (Sergio Klepacz) - 7,5 pp (1+1,5+5) 
3º - Suduca (Marcelo Claro) - 8 pp (3+3+2) 
 
RGS Cruiser - após 3 regatas
1º - Boccalupo (Claudio Melaragno) - 3 pp (1+1+1) 
2º - Cocoon (Luiz Caggiano) - 7 pp (3+2+2) 
3º - Charlie Bravo - 10 pp (2+3+5)
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook