Filipe Toledo evita "contas" para o título

 Filipe Toledo: "leva vantagem aquele que chegar na frente" / Foto: Trevor Moran Filipe Toledo: "leva vantagem aquele que chegar na frente" / Foto: Trevor Moran

São Paulo - Líder do ranking, com duas vitórias, um segundo um terceiro e três quintos lugares na soma, o brasileiro Filipe Toledo segue evitando fazer “contas” para o título mundial da World Surf League (WSL). Agora, no Quiksilver Pro France, a 9ª etapa do Circuito, em Hossegor, França, ele usa a lycra amarela do primeiro colocado como incentivo a ficar no posto mais alto. 
 
“Eu uso como motivação, para continuar firme no foco. Não existe contas, existe trabalho duro, determinação em busca dos resultados pré-determinados. Agora é surfar bem, consciente. Esse é o segredo até o final”, afirma Filipinho, sabendo que terá como grande rival o também brasileiro Gabriel Medina. “Sempre foi assim. Nossos amigos de infância um dia acabarão sendo adversários dentro d’água, mas quando toca a buzina para acabar, a amizade continua”, fala.
 
Ele sabe do bom retrospecto do vice-líder na Europa e Havaí, “mas cada ano a história é escrita dia a dia. Então, eu tenho me preparado para isso”. Filipe chega à etapa francesa bem preparado e acompanhado da família, como forma de ter mais tranquilidade. Além de seu pai e técnico, Ricardo Toledo, estão junto a esposa Ananda e os filhos Mahina e Koa. 
 
“Gosto deles perto de mim. Isso aumenta ainda mais a minha confiança e determinação. Meu pai sempre foi importante. Ele me dá o suporte que preciso. Além de ter sido surfista profissional por longos anos, sempre me faz enxergar as coisas por um outro ângulo, que muitas vezes não conseguimos”, enaltece o surfista, também falando da preparação física, comandada por Eduardo Takeushi. “Com certeza o trabalho vem surtindo resultado. Mas não só isso, todo o conjunto precisa estar alinhado, corpo, mente e espírito”, ressalta.
 
Vale destacar que em oito etapas este ano, Filipe venceu duas - Saquarema e J-Bay, foi segundo na estreia da piscina de ondas no Surf Ranch, terceiro em Teahupoo e quinto em outras três - Gold Coast, Bali e Uluwatu, além de ter um 13º lugar em Bells Beach. “Conversando com meu pai, chegamos à conclusão que para ser campeão mundial seria de nono para baixo e estou trabalhando duro pra isso”, completa o atleta patrocinado por Hurley, Oi, Monster Energy, Nike, Oakley, GoPro, Sun Bum, SmoothStar, Stance, pranchas Sharp Eye e FCS. 
 
No Quiksilver Pro France, Filipe estreia na sexta bateria, enfrentando o australiano Connor O’Leary e o francês convidado Jorgann Couzinet. Seu melhor resultado na França foi na temporada de estreia na elite mundial, em 2013, com o terceiro lugar.
 
Veja Também: 
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook