Brasileiro supera uma das mais difíceis ultramaratonas aquáticas

Com 7 horas e 37 minutos, Marcos Campos foi o primeiro colocado na Travessia Capri-Nápoles / Foto: Samir BarelCom 7 horas e 37 minutos, Marcos Campos foi o primeiro colocado na Travessia Capri-Nápoles / Foto: Samir Barel

Itália - Desbravador dos mares, Marcos Campos acrescentou no seu currículo uma das travessias naturais mais prestigiadas do mundo. Nesta sexta-feira (14), o brasileiro de Taubaté (SP) concluiu em 7 horas e 37 minutos a famosa Maratona do Golfo: Travessia Capri-Nápoles, um percurso de 36 quilômetros que até 1992 era a única prova que garantia ao vencedor o título de campeão mundial de águas abertas, tamanha a sua dificuldade. 
 
"Já esperava que fosse uma prova dura e assim foi. Felizmente não senti tanto frio como esperava, a temperatura da água estava em torno de 25 graus, geralmente é mais frio que isso. O calor, aliás, bateu bastante e como sou mais leve, dificultou um pouco. A segunda metade da prova foi a que mais pesou por conta do vento forte que deixou a corrente contra mais forte ainda, mas isso é normal do trajeto. Estou muito feliz em completar essa prova, que realmente é uma das mais belas ultramaratonas aquáticas do mundo", disse o nadador. 
 
Marcos fez uma prova progressiva, imprimindo um ritmo confortável e poupando energia no primeiro trecho. Após 4 horas de travessia, o vento forte que estava previsto soprou, aumentando a ondulação do mar e dificultando um pouco o nado. Mas o atleta de 33 anos seguiu firme pelo Mar Tirreno, aumentando a cadência da braçada e chegou no continente nadando forte e com uma larga diferença para os demais participantes. O paulista foi único atleta do Brasil entre os 31 nadadores inscritos na última janela disponível para amadores na temporada e foi o primeiro colocado geral. 
 
"A meta era nadar em 7h30, então dentro do previsto. Ele teve uma frequência de braçadas muito boa, entre 70 e 72 por minuto. Orgulho muito grande de estar aqui, mais uma vez mostramos que todos somos capazes de superar qualquer desafio e espero que cada vez mais brasileiros se motivem a realizar a prova", contou Samir Barel, técnico do brasileiro e que também já nadou o trajeto italiano em 2015.  
 
Marcos Campos é taubateano. Apaixonado pela natação em águas abertas desde 2008, é tricampeão da 14 Bis (24km), a mais tradicional travessia aquática do Brasil. Em 2013, foi Top-10 na maior travessia do planeta, a Hernandárias-Paraná (Argentina, 88K) e encarou algumas provas do Grand Prix de Águas Abertas da FINA, principal circuito de longa distância da modalidade. Atualmente o paulista está em busca de novos desafios e percursos, visando divulgar a maratona aquática e seus benefícios.

Veja Também: