Atletismo almeja delegação recorde nos Jogos Olímpicos do Rio | Esporte Alternativo - O site de quem pratica esportes !

Atletismo almeja delegação recorde nos Jogos Olímpicos do Rio

Solonei Rocha da Silva é o único com vaga já garantida na maratona / Foto: Getty Images

Rio de Janeiro - Considerada a modalidade mais nobre do programa olímpico por representar as origens gregas do evento, o atletismo exige índices internacionais para que um atleta tenha o direito de representar seu país nos Jogos Olímpicos. As 47 provas (24 masculinas e 23 femininas) têm um pré-requisito de qualidade rigoroso. E simplesmente obter a marca não garante participação. Como cada país pode inscrever no máximo três atletas por prova, em alguns casos – quando o número de atletas com índice é superior a três – é necessária uma seletiva interna.
 
Assim, o primeiro semestre de 2016 torna-se estratégico para muitos atletas brasileiros, não apenas por ser a reta final de preparação. O prazo para a obtenção dos índices teve início em 1º de maio do ano passado e, para a maioria, a conquista das marcas olímpicas pode ser obtida até a data limite de 3 de julho. A exceção fica por conta das provas de maratona e marcha atlética 50km, cujo prazo vai até 6 de maio.
 
Superintendente de Alto Rendimento da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Antônio Carlos Gomes revelou que a entidade espera contar com uma grande delegação para defender o Brasil nos Jogos do Rio. “Nós torcemos para chegar a 60 atletas, que seria a maior delegação da história do atletismo do Brasil nos Jogos”, adiantou o dirigente.
 
Até o fim de dezembro, a CBAt contabilizava 40 atletas com índices olímpicos para 45 provas (cinco deles conquistaram a marca para duas disputas). São 22 representantes no masculino, em 12 provas, e 18 no feminino, com marcas para 11 provas.
 
Entre os homens, os brasileiros têm índices nos 200m, 400m, 1.500m, 110m com barreiras, 400m com barreiras, salto com vara, lançamento de dardo, decatlo, 20km da marcha atlética, 50km da marcha atlética e maratona. Desses, apenas na maratona o país ultrapassou a cota de três atletas. Até aqui, são 10 corredores com tempos abaixo das 2h17min exigidas.
 
Entre as mulheres, as brasileiras já obtiveram índice para as provas de 100m, 200m, 400m, 800m, salto com vara, salto em distância, salto triplo, arremesso de peso, lançamento de disco, 20km da marcha atlética e maratona. Assim como entre os homens, apenas na maratona o limite de três atletas foi superado, com seis corredoras credenciadas.
 
A definição dos representantes do Brasil na maratona seguirá critérios determinados pela CBAt, ressaltando-se o fato de que uma prova em particular, o Troféu Brasil, em maio, será determinante para os pretendentes, pois o campeão e a campeã estarão automaticamente garantidos nos Jogos Olímpicos.
 
Vaga assegurada
 
À exceção da maratona, como em muitos casos o limite de três atletas por prova dificilmente será atingido, a maioria dos atletas com índice, no masculino e no feminino, já sabe que competirá no Rio. Oficialmente, entretanto, o único que pode comemorar é o maratonista Solonei Rocha da Silva, em função de ter terminado a prova da maratona do Campeonato Mundial de Pequim na 18ª posição.
 
Com esse resultado, ele cumpriu o item 3 dos critérios de convocação para os Jogos Olímpicos Rio 2016 da CBAt, que prevê que “estarão automaticamente classificados para as provas da maratona os atletas que se classificarem do 1º ao 20º lugar nas provas dos Campeonatos Mundiais de Atletismo de 2015”.
 
Ouro no Pan de Guadalajara 2011, campeão da Maratona de São Paulo em 2012 e sexto no Mundial de Moscou em 2013, Solonei está orgulhoso. “É um meio de demonstrar para as pessoas, para a família e para os amigos que você conseguiu atingir o objetivo máximo e que tudo, todo o esforço, valeu a pena. Se for definir em uma palavra o que sinto, seria orgulho por poder defender o Brasil dentro do meu país”, declarou.
 
Solonei ainda não definiu o calendário para o primeiro semestre, mas a prioridade é mais treinar que competir. “Vamos trabalhar com tranqüilidade, analisando aos poucos o cenário. Provavelmente eu faça uma prova preparatória antes dos Jogos. O importante é trabalhar com segurança, fazer bons treinos e focar em agosto”, disse.
 
Duas medalhas
 
O plano de metas para os Jogos Olímpicos do Rio, segundo Antônio Carlos Gomes, ainda não está definido. A CBAt pretende estabelecer os parâmetros a partir do instante em que a delegação estiver definida.
 
“Só em maio é que devemos fechar os prognósticos. Nesse momento, temos planos de disputar duas medalhas. Uma com a Fabiana (Fabiana Murer, no salto com vara), e, se o prognóstico do Duda (Mauro Vinícius da Silva, do salto em distância) se confirmar, ele é o outro candidato. São só esses por enquanto”, disse o dirigente. “Mas isso pode mudar até maio, a depender dos resultados. Não dá para prever ainda”, ressaltou.
 
Antônio Carlos Gomes explicou ainda que, além de medalhas, a confederação tem outros objetivos. “O objetivo número dois é ter a maior quantidade de atletas nas finais. E o objetivo número três é ter a maior quantidade de atletas fazendo os melhores tempos ou marcas de suas vidas”, revelou.
 
Apoio
 
Por se tratar de um esporte com múltiplas provas, cada um com sua característica, a confederação prefere que cada atleta, com seu treinador e clube, trace seus planos. Cabe à confederação dar o apoio logístico.
 
“A gente se envolve pouco com os planos de treinamento porque a preparação é feita nos clubes, com os técnicos de cada um”, afirmou Martinho Nobre dos Santos, superintendente Técnico da CBAt. “Como cada prova exige um treinamento específico, não temos como interferir. O que a gente faz é exigir o cronograma e tentar assegurar que os atletas que já têm índice estejam se preparando de forma adequada para os Jogos Rio 2016”, completou.
 
Sem pressão
 
Apontada como a maior esperança para um pódio no atletismo nos Jogos Olímpicos, Fabiana Murer diz estar pronta para lidar com a pressão e com a expectativa em torno dela.
 
“Acho bom competir em casa. Gosto de ter a torcida a favor”, disse a saltadora. “Lógico que dá aquele nervosismo maior por ser Olimpíada, mas o atleta tem de saber lidar com isso. A pressão só vai crescendo ao longo da carreira e quem não souber lidar com isso não tem como ser atleta de ponta, de alto nível. Todos os que foram bem-sucedidos souberam lidar com isso. No meu caso, se estiver bem treinada e tiver feito boas competições antes das Olimpíadas, nada vai me atrapalhar”, disse Fabiana, que em 2015 foi vice-campeã mundial em Pequim e em 2014 sagrou-se bicampeã da Diamond League.
 
O caminho do atletismo
 
Vagas garantidas
A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) contabilizava 40 atletas do país com índices olímpicos para 45 provas (cinco deles conquistaram a marca para duas disputas) no fim de dezembro. O Brasil já tem 22 representantes no masculino, classificados para 12 provas, e 18 no feminino, com marcas para 11 provas.
 
Critério de classificação
Não há vagas asseguradas para o país-sede. Cada atleta deve atingir o índice olímpico exigido pela Federação Internacional de Atletismo (IAAF) para cada uma das 47 provas (24 masculinas e 23 femininas) olímpicas.
 
Estrutura 
Por se tratar de um esporte com diversas provas distintas e que exigem treinos e preparações específicas, os atletas não se preparam juntos, em um único centro de treinamento. Eles treinam em pistas de todo o país, seguindo cronogramas montados por seus técnicos e clubes.
 
Resultados 
O Brasil já conquistou 14 medalhas no atletismo em Jogos Olímpicos. Foram quatro ouros, três pratas e sete bronzes.
 
Metas para 2016
A Confederação Brasileira de Atletismo  trabalha, até o momento, com a meta de duas medalhas para o Brasil no Rio de Janeiro.
 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook