Do 'quase' em Londres à realidade no Rio | Esporte Alternativo - O site de quem pratica esportes !

Do 'quase' em Londres à realidade no Rio

Pedro Gonçalves, o Pepê, da canoagem Slalom 'coloca o coração no remo' / Foto: Alexandre Loureiro/Exemplus/COB

Rio de Janeiro - O menino da cidade de Piraju, no interior de São Paulo, que em 2004 viu os atletas da seleção brasileira de canoagem velocidade treinando no rio Paranapema e quis seguir as mesmas remadas, hoje vive um sonho: o de disputar os Jogos Olímpicos Rio 2016.
 
Em 2012, Pedro Gonçalves, o Pepê, esteve bem próximo de conquistar a classificação para as Olimpíadas de Londres, mas viu as chances terminarem ao cometer uma penalidade de dois segundos na penúltima porta da na prova do K1 masculino durante o campeonato pan-americano, em Foz do Iguaçu. Pedro ficou a 13 centésimos da vaga. 
 
“Minha estreia foi adiada em grande estilo”, ressalta Pedro. “Em nenhum momento pensei em desistir. Desde pequeno jamais pensei na minha vida sem estar ligada à canoagem. Lamentei muito no primeiro mês fiquei muito abalado. Chorei muito. Marcou muito para um adolescente de 18 anos. Era um sonho para mim. Eu não queria adiar para o Rio. Queria ir para Londres. Depois de três meses fiquei mais tranquilo e vi que serviria como lição e como estímulo para os Jogos em casa. Para mim está sendo o momento que eu sonhei durante quatro anos”, afirmou o atleta, que chegou na Vila Olímpica no domingo e vem treinando com a equipe em Deodoro. 
 
Dois meses depois dos Jogos de Londres, Pedro já reiniciou os treinamentos para as Olimpíadas 2016. “Talvez se tivesse ido para Londres hoje teria uma experiência maior, ao mesmo tempo, tem um outro aspecto. Minha motivação é muito grande. Londres já foi, e agora é em casa e vou colocar toda força aqui”.  
 
Segundo Pedro, os canoístas da Eslovênia, República Tcheca, Alemanha e França são fortes candidatos às medalhas. “A canoagem slalom não tem favoritos. Serei meu principal adversário e a torcida será muito importante para nós”, ressaltou o jovem de 23 anos, que segue até hoje as dicas do medalhista pan-americano Sebastian Cuatrim. “Colocar o coração no remo é um dos conselhos que recebi dele uma vez e sigo até hoje”, concluiu Pedro. 
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Rugby campeão

Brasil é campeão do Sul-Americano 6 Nações

 
 

 

 
Mascotes

Mais lidas da semana

Curta - EA no Facebook