"Bolt de saias" se prepara para brilhar nos Jogos Rio 2016

Em visita ao Rio, Allyson Felix participou de atividade na Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (ANDEF) / Foto: Getty Images / Alexandre LoureiroEm visita ao Rio, Allyson Felix participou de atividade na Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (ANDEF) / Foto: Getty Images / Alexandre Loureiro

Rio de Janeiro - Ela conquistou três ouros em Londres 2012 e quebrou um recorde mudial no revezamento 4x100m. Qualquer semelhança com Usain Bolt é mera coincidência. 
 
Os feitos são da norte-americana Allyson Felix, que subiu ao topo do pódio do atletismo nos 200m e nos revezamentos 4x100m e  4x400m na última edição dos Jogos. Uma das candidatas a brilhar nas provas de velocidade dos Jogos Rio 2016, a atleta falou ao site rio2016.com sobre as inevitáveis comparações com o “raio” jamaicano. 
 
“Bolt é o maior de todos os tempos no atletismo, então é uma comparação que só pode me deixar feliz. É bom saber que as pessoas acham que você tem algo em comum com um atleta que conquistou tantas coisas especiais na carreira”, diz a norte-americana.
 
A carreira de Allyson nas pistas também é digna de homenagens. Aos 28 anos, ela é dona de seis medalhas Olímpicas: quatro ouros (200m, 4x100m e 4x400m em Londres 2012 e 4x400m em Pequim 2008) e duas pratas (200m em Atenas 2004 e Pequim 2008). A velocista dos Estados Unidos tem ainda oito títulos mundiais – três no 4x400m, três nos 200m e dois no 4x100m.
 
Na semana passada, Allyson visitou o Rio de Janeiro pela primeira vez e saiu inspirada com a energia da cidade, onde pretende aumentar sua coleção de medalhas em 2016.
 
“Os Jogos do Rio serão especiais. É bom estar aqui antes, sentir essa energia contagiante e viver essa atmosfera incrível. Seria ótimo conquistar mais uma medalha de ouro, mas ainda é cedo para saber o que poderá acontecer. Sou guiada pelos meus objetivos e tento sempre ir além dos meus limites”, diz a atleta dos Estados Unidos, que se vê mais preparada do que nunca para brilhar em sua quarta participação Olímpica.
 
 “Tenho muito mais experiência do que tinha na minha primeira participação Olímpica, em 2004. Aprendi muito sobre o meu esporte e sobre as competições neste período”, diz Allyson, que esteve no Rio a convite do Consultado dos Estados Unidos.
 
Após Londres 2012, Allyson não teve muitas oportunidades de brilhar nas pistas. Na principal competição de 2013, o Campeonato Mundial, em Moscou, ela sofreu uma grave lesão no tendão posterior da coxa e ficou nove meses sem correr, retornando às pistas em maio deste ano. Ela espera agora voltar a “voar” pelas pistas em 2015.
 
“Sofri uma lesão séria no Campeonato Mundial, em 2013, e este ano foi bem diferente para mim. Precisei de muita paciência e tive que pensar em uma etapa da recuperação de cada vez, sem apressar nada. É bom estar 100% recuperada agora e pronta para começar 2015 com toda energia”, afirma a campeã Olímpica.
 
Em 2015, Allyson terá a primeira oportunidade de obter o índice de classificação do atletismo para os Jogos Rio 2016. A confirmação de sua vinda para o Rio só acontecerá, no entanto, poucos meses antes dos Jogos Olímpicos, após a realização da seletiva nacional dos Estados Unidos, que reunirá todas as atletas do país que obtiverem o índice em cada prova para disputar as vagas disponíveis para a primeira edição Olímpica da América do Sul.
 

Eventos esportivos / Entidades Mundiais

Curta - EA no Facebook